{fastsocialshare}
Segunda, 27 Agosto 2018 20:18

A Escuna do Diabo - 1965

A Escuna do Diabo (The Wackiest Ship in the Army) é uma série de comédia americana que foi ao ar por uma temporada na rede NBC entre 19 de setembro de 1965 e 17 de abril 1966. Produzida por Harry Ackerman e Hirschman Herbert, a série é vagamente baseada no filme de 1960 estrelado por Jack Lemmon e Ricky Nelson. A história é definida no teatro de operações do Pacífico durante a II Guerra Mundial, e centrada na tripulação do USS Kiwi, uma escuna de madeira cuja missão era colocar espiões atrás das linhas japonesas.

Publicado em Séries
Segunda, 27 Agosto 2018 19:47

A Família Addams - 1964

A Família Addams (The Addams Family) consiste numa série de personagens, criados por Charles Addams nos anos 30, que entre 1964 e 1966 virou um famoso seriado para a televisão. História: ela é horripilante, encantadora, sarcástica e hilária, que passa por todo tipo de aventura possível, sempre com convidados que se desesperam ao ver os hábitos mórbidos e incomuns do clã dos Addams. Gomez Addams é o chefe desta família, ao lado de sua adorável esposa Mortícia Addams, uma mulher de pele tão pálida quanto um cadáver, possuidora de cabelos longos e vestidos fúnebres.

Publicado em Séries
Domingo, 05 Agosto 2018 16:54

A Família Buscapé - 1962

A Família Buscapé (The Beverly Hillbillies) é uma série de televisão sobre uma família caipira que se muda para Beverly Hills, na Califórnia, depois de encontrar petróleo em suas terras. A série, uma produção da Filmways, foi ao ar no canal CBS de 26 de Setembro de 1962 a 23 de Maio de 1971 e compreende 274 episódios - 106 em preto e branco (1962 a 1965) e 168 à cores (1965 a 1971). Estrelaram no show Buddy Ebsen como Jed Clampett, Irene Ryan como Daisy "Granny" Moses, Donna Douglas como Elly May Clampett e Max Baer, Jr. como Jethro Bodine. From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro.

Publicado em Séries
Terça, 30 Outubro 2018 18:32

A Feiticeira - 1964

A Feiticeira (Bewitched) foi uma série de televisão americana transmitida de 1964 a 1972. A série relata o dia-a-dia de uma família americana de classe média formada pela bela Samantha; seu marido James (Darrin, no original), um publicitário; e os filhos, Tabatha e Adam. Nada de mais haveria se Samantha não fosse uma feiticeira poderosa, que se casara com um mortal e fez a opção pessoal de viver feliz ao marido sem fazer uso de seus poderes.

Publicado em Séries
Segunda, 05 Abril 2010 00:00

A Feiticeira - 1964

A Feiticeira (Bewitched) foi uma série de televisão americana transmitida de 1964 a 1972. A série relata o dia-a-dia de uma família americana de classe média formada pela bela Samantha; seu marido James (Darrin, no original), um publicitário; e os filhos, Tabatha e Adam.

Nada de mais haveria se Samantha não fosse uma feiticeira poderosa, que se casara com um mortal e fez a opção pessoal de viver feliz ao marido sem fazer uso de seus poderes. Só que, com as muitas confusões provocadas por seus familiares bruxos - em especial a mãe, a terrível e adorável Endora, que não se dá bem com o genro, apelidando-o inclusive de Dumbo, por causa de suas orelhas (como também o apelida de Jonathan) -, Samantha acaba tendo sempre que mexer seu nariz e libertar o poder para resolver as diversas situações, em sua maioria cômicas.Outros personagens importantes na série são o volúvel patrão de James, Larry Tate, sócio da agência McMann & Tate; o pai de Samantha, Maurice; o tio palhaço, Arthur; a tia Clara, boazinha e atrapalhada; a não menos atrapalhada babá Esmeralda; e o médico especial dos feiticeiros, Dr. Bombay; Serena, uma tresloucada prima de Samantha idêntica a ela; e é claro, Endora (From Wikipedia. Tradução e adaptação livre: Vitor Pinheiro).



Publicado em Séries
Sexta, 02 Novembro 2018 09:32

A Flauta Mágica - 1969

A Flauta Mágica (H.R. Pufnstuf) é uma série de TV infantil produzida por Sid e Marty Krofft nos Estados Unidos, em um total de 17 episódios, que foi ao ar na rede NBC, com bastante sucesso, de 6 de setembro de 1969 até 4 de setembro de 1971 (as filmagens ficaram a cargo da Paramount Studios, e a abertura do seriado foi filmada em “Big Bear Lake”, California). Os Krofft são os produtores de umas séries bem clássicas e difíceis de achar aqui no Brasil como Bug Bruxo, Mulher Elétrica e Garota Dínamo e The Bugaloos, entre outras que apareciam no programa The Krofft Supershow.

Publicado em Séries
Segunda, 05 Julho 2010 00:00

A Noviça Voadora - 1967

A Noviça Voadora (The Flying Nun) foi um seriado de TV produzido pela ABC de 1967 a 1970. Os episódios são centrados nas aventuras de um grupo de freiras no convento San Tanco em Porto Rico. A parte cômica era provida pela inexplicável habilidade de voar de uma noviça, Irmã Bertrille, interpretada por Sally Field (essa habilidade era atribuída a sua pequena estatura e peso, e esses talentos voadores causavam tantos problemas quanto resolviam). Madeleine Sherwood interpretava a Madre Superiora, Marge Redmond era a Irmã Jacqueline, Shelley Morrison era Irmã Sixto e Alejandro Rey interpretava o playboy local Carlos Ramirez, para quem a Irmã Bertrille corria frequentemente alarmada. A Noviça Voadora foi baseada no livro The Fifteenth Pelican, escrito por Tere Rios. O seriado ficou no ar por três temporadas, produzindo um total de 82 episódios coloridos. (From Wikipédia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro).




Publicado em Séries
Sexta, 04 Junho 2010 00:00

Agente 86 - 1968

Agente 86 (Get Smart) é o nome de um antigo seriado de televisão americano, chamado de Olho Vivo em Portugal, que consagrou-se como um dos grandes sucessos da televisão mundial na década de 60, gerando continuações e vencendo muitos prêmios. História: tudo começou com o sucesso dos filmes de James Bond na década de 60. Os produtores Leonard Stern e David Susskind, associados a Mel Brooks e Buck Henry, idealizaram uma série de TV cômica com os mesmos temas: espionagem e Guerra Fria.

Don Adams foi escolhido graças à sua atuação no The Bill Dana Show, no qual fazia um atrapalhado detetive de hotel. Ele se engajou tanto no papel que chegou a sofrer acidentes devido às cenas de ação. Em compensação, ganhou muitos prêmios como ator de comédia. Adams nasceu em 13 de abril de 1923 e faleceu em 25 de setembro de 2005. O episódio-piloto foi rodado em preto e branco e a história começava exatamente como nos demais episódios, com o Agente 86 indo para o escritório secreto, atravessando várias portas. Ali, também, aparecem o sapato-fone e o cone-do-silêncio. Na missão contra o vilão Senhor Big (um anão), ele recebe ordens do Chefe e é ajudado pelos Agentes Canino, 99 (que ele não conhecia) e 34 (escondido em um armário).

 



 

Apesar de já contar com todos esses ingredientes cômicos que se tornariam famosos, os executivos de produção da Rede ABC recusaram-se a comprar a série pois, na trama apresentada, a intenção dos vilões era explodir a Estátua da Liberdade. Os criadores de Smart não se deram por vencidos e foram bater na porta da Rede NBC, que aprovou o projeto e concedeu autorização para iniciar a produção da série, agora totalmente em cores. A melhor temporada do seriado é provavelmente a primeira, entre 1965 e 1966. Em 1969, a audiência caiu um pouco e a Rede CBS assumiu o programa, encontrando como solução casar os protagonistas, de cuja união nasceram gêmeos. Mas a audiência não se recuperou e, como conseqüência, a série foi cancelada em 1970. Agente 86 durou cinco temporadas, de 1965 a 1970, ganhando sete prêmios Emmy, dois para seriado cômico e três para Don Adams. Foram produzidos cento e trinta e oito episódios de vinte e quatro minutos. No Brasil, foi exibido primeiro pela TV Record e depois, em reprise, pela TV Bandeirantes. Houve um filme para cinema em 1980 chamado The Nude Bomb (A Bomba que Desnuda) e um telefilme em 1989, na Rede ABC. Em 1995, a Fox tentou revitalizar o seriado com uma nova versão, agora com Smart no comando do C.O.N.T.R.O.L e 99 como deputada federal. Apesar do fracasso dessas retomadas, Agente 86 é o único seriado a ter passado pelas quatro grandes emissoras americanas – NBC, CBS, ABC e FOX – com o elenco original. No dia 20 de junho de 2008, foi lançado o filme inspirado no velho seriado, que se chama Agente 86: O Filme. Os protagonistas são Steve Carell e Anne Hathaway e houve participação dos produtores originais Buck Henry e Mel Brooks. A história mostra 86 iniciando sua carreira como agente, auxiliado pela veterana 99, em sua primeira missão: impedir que a K.A.O.S. entregue códigos de lançamento de mísseis nucleares a terroristas.

Personagens Principais

O herói se chamava Maxwell "Max" Smart e, interpretado por Don Adams, atuava para uma organização secreta chamada C.O.N.T.R.O.L.E. Esta possuía como missão combater a organização criminosa K.A.O.S., que durante um período foi comandada por um agente nazista de sotaque alemão – era o vilão Siegfried, interpretado por Bernie Koppe. Smart possuía como código o número 86 e era auxiliado por uma bela agente cujo número era 99. Costuma-se dizer que era a agente 99 quem resolvia tudo e Smart ficava com os créditos (embora essa versão seja um pouco exagerada, na realidade o agente 86 resolvia tudo, mas do seu jeito atrapalhado). Assim como James Bond, Smart tinha uma série de equipamentos especiais como o sapato-fone e o escudo invisível de sua casa. Além disso, havia o impagável cone do silêncio que ele usava para conversar com o chefe sobre assuntos sigilosos, mas era tão ruidoso que um não podia ouvir o outro.

A agente 99 era interpretada por Barbara Feldon, uma modelo que ficou famosa com um comercial da Revlon e por vencer um show de TV no qual respondia a perguntas sobre a vida e a obra de William Shakespeare. Comenta-se que o nome da agente era Susan Hilton. Para o papel do chefe do C.O.N.T.R.O.L.E foi escolhido o ator Edward Platt, outrora um cantor de ópera. Nascido em 4 de fevereiro de 1916, encarnava um homem sério e ponderado, que vivia tendo dores de cabeça com as trapalhadas de Smart. Seu nome, revelado mais tarde, era Thadeus. Platt faleceu em 1973, vítima de um infarto.

Outros agentes

Agente 13 (vivido por Dave Ketchum): ele atuava disfarçado (ou escondido), porém seus disfarces eram tão hilários como uma caixa de lixo ou o assento de um sofá. As vezes aparecia outro: o Agente 44 (no primeiro episódio, foi o Agente 34 que teve essa função). Hyme: uma das primeiras séries a apresentar um andróide como agente, seu nome era Hyme (Dick Gautier). Criado pela K.A.O.S, ele "mudou de time" pois acabou se afeiçoando a Smart, o único que o tratava com respeito. Em um episódio, a KAOS criou uma versão feminina para eliminar Hyme. Agente Larabee (Robert Karvelas): o totalmente lerdo de raciocínio e incompetente assistente do chefe do C.O.N.T.R.O.L.E. Nunca se dava conta das hilariantes besteiras que dizia ou fazia. Era o único personagem mais pateta que o próprio Smart. Nos primeiros episódios em que apareceu não tinha falas. Doutora Steel: uma beldade que trabalhava como a perita química da organização de Smart. Muito profissional, seu laboratório ficava nos fundos de um teatro de revista, onde se disfarçava de dançarina. Agente Canino ou simplesmente Nino: é um velho cão não muito leal à Max e meio covarde, mas que salva a vida do agente no primeiro episódio. Agente 43: apareceu no sexto episódio da série, talvez para que fosse dita a piada óbvia: em certo momento, a Agente 99 diz a Smart que ele vale por dois agentes 43.

Trívia: 

    * O sobrenome Smart (esperto) foi escolhido porque pareceu aos autores mais apropriado para a personalidade do detetive atrapalhado. Já o 86 veio do número-código que os "barman" utilizavam para se referir aos clientes que "enchiam a cara".
    * O multimidia ator Don Adams atuou na área de dublagem, fazendo o personagem principal do desenho Inspetor Bugiganga.
    * Don Adams dedicou-se de corpo e alma ao papel, fazendo inclusive as cenas arriscadas, o que lhe valeu um acidente onde teve o maxilar e o nariz quebrados.
    * A abertura dos episódios onde o agente 86 vai atravessando portas que se abrem e fecham, dando-lhe passagem, é famosa no mundo todo e foi gravada nos Estudios Disney.
    * Frases inesquecíveis de Maxwell Smart:     -Desculpe por isso, chefe.
    -E... vou adorar!
    -O velho truque do guarda-chuva! (ou alguma outra coisa)
    -Você acreditaria se...
    -Chefe! Essa manequim me contou tudo.
    -Ele errou por um tantinho assim.
    -Se é sigiloso chefe, temos que usar o cone do silêncio.
    * A Agente 99 originalmente seria Agente 69, mas os censores da rede NBC acharam o nome muito "sugestivo sexualmente". Aliás, o nome real dela nunca é revelado. Mesmo quando ela se casa com Smart, passa a ser chamada apenas de sra. Smart.  * O episódio piloto foi o único filmado em preto-e-branco.  * Barbara Feldon era mais alta que Don Adams. Para criar o efeito contrário, ele atuava em cima de uma plataforma ou ela ficava num nível abaixo. E na maior parte da série, ela nunca usou saltos (From Wikipedia, tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro).

Lembranças gentilmente fornecidas pela internauta
Cássio Fernando D. Queirós

Os comentários deixados pelos internautas Pedro e Alexandre
na página do Agente 86 já disseram quase tudo… Os bordões irresistíveis de Max, o matreiro “Cone do Silêncio”, os trapalhões agentes da KAOS (especialmente Siegfried e Starker), o não menos trapalhão Larabee, a fofa Barbara Feldon como a agente 99, o “Chefe” (Ed Platt) perdendo o resto dos seus cabelos graças a Max e por ai vai. Eu aproveito este espaço, no entanto, para louvar o talento de [[Don Adams]](1923-2005)simplesmente impagável no papel de Maxwell Smart, e não foi por acaso que ele levou o [[Prêmio EMMY]] por 03 anos (seguidos!) como melhor ator principal de série cômica.
Este talento todo ainda tornaria mais difícil a tarefa para o dublador no Brasil mas, o falecido Bruno Neto, conseguiu o quase impossível, ser tão bom em português quanto Adams era em inglês. Um terrível e imperdoável desleixo fez com que a dublagem de Bruno se perdesse (só restam uma dúzia de episódios da 1ª temporada e todos da 5ª e última temporada). Para terminar, eu lembro que Adams morreu no dia 25 de setembro de 2005 e, dois dias depois, o Brasil perdia também outro gênio da comédia, [[Ronald Golias]](1929-2005). Que semana triste foi aquela há quase dois anos atrás. Se o “Céu” realmente existir, com certeza aquelas duas figuraças, Golias e Adams,devem estar fazendo os “anjos celestiais” rolarem de tanto rir…
Publicado em Séries
Segunda, 02 Novembro 2009 01:00

Ben, o Urso Amigo - 1967

Ben, o Urso Amigo (Gentle Ben) é uma série que foi ao ar pela rede CBS americana de 10 de setembro de 1967 até 31 de agosto de 1969, em um total de 56 episódios, com produção de Ivan Tors. Tinha como personagens principais o jovem Clint Howard (o irmão de Ron Howard, diretor do filme Apollo 13, entre outros), como Mark Wedloe, ao lado de um urso negro americano que deu nome ao título do seriado, Dennis Weaver como seu pai, Tom Wedloe, um guarda florestal, e Beth Brickell como sua mãe, Ellen. Clint Howard fez o papel de Chaka na série O Elo Perdido ("Land of the Lost"). Apesar do nome do urso ter sido usado em outra série de tv posterior, O Homem da Montanha, "The Life and Times of Grizzly Adams", de 1977, também chamado Ben, não há qualquer ligação entre esses animais.

Publicado em Séries
Domingo, 27 Junho 2010 00:00

Big Valley - 1965

Big Valley (The Big Valley) foi um seriado de televisão do gênero western produzido nos Estados Unidos entre 1965 e 1969, que ficou no ar por 4 temporadas, totalizando 112 episódios, todos filmados à cores. A série se passava no velho oeste americano e retratava o cotidiano de uma família composta pela viúva Victoria Barkley (Barbara Stanwyck) e seus quatro filhos: Jarrod (Richard Long), Nick (Peter Breck), Heath (Lee Majors) e Audra (Linda Evans). "Big Valley" estreou com muito sucesso no Brasil em 1966, pela TV Excelsior, dublada nos estúdios da AIC e, ao longo dos anos, foi exibida por outras emissoras. Ainda hoje é lembrada pelos fãs brasileiros, mesmo depois de tanto tempo.



Sinopse fornecida pelo internauta Cássio Fernando D. Queirós:
Eu acrescentaria um "Muito Bom" a este seriado. Primeiro, pelo elegante e esplendoroso tema musical do norte-americano George Duning(1908-2000). Segundo, pelo "cast" de primeira, encabeçado por "Miss" Barbara Stanwyck(1907-1990), como a matriarca "Victoria Barkley", seguida por "seus filhos" interpretados pelo prematuramente falecido Richard Long(1927-1974),como o advogado "Jarrod Barkley", Peter Breck,como o "manda-chuva" do rancho "Nick Barkley", a bela Linda Evans, como "Audra Barkley" e, finalmente, o futuro "Homem de Seis Milhões de Dolares", Lee Majors, como "Heath Barkley". Outros faroestes da época, como "Bonanza" e "O Homem de Virginia", ganhavam em audiência mas "Big Valley" tinha lá o seu charme. Nos Estados Unidos já existem os DVDs da 1ª e 2ª temporadas. E no Brasil? Nem sombra...Uma pena que as distribuidoras continuem insensíveis ao grande público que aguarda com ansiedade por boas séries como esta. Quem sabe algum executivo um dia destes, talvez, mude o rumo das coisas. Vamos torcer!

Publicado em Séries
Sexta, 06 Novembro 2009 01:00

Cavalo de Ferro - 1966

Cavalo de Ferro (Iron Horse) é uma série americana que foi ao ar pela rede ABC de televisão de 1966 a 1968. Ela tinha com ator principal Dale Robertson, um aficcionado jogador de pôquer no papel do barão Ben Calhoun (outras estrelas no enredo: Gary Collins, Bob Random e Ellen Burstyn). A história era centrada em torno de um jogo de cartas onde se tentava a todo custo a finalização com uma vitória, cujas chances estavam sempre presentes. Grande parte das filmagens externas, envolvendo trens, foi filmada sobre a histórica Sierra Railroad, nos arredores de Jamestown e Sonora (Califórnia), produzidas pela Screen Gems. Em sua primeira temporada, Cavalo de Ferro se distanciou de seu concorrente na rede CBS, "Run, Buddy, Run" (estrelando Jack Sheldon), que foi cancelada depois de dezesseis episódios (From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro).





Publicado em Séries
Segunda, 25 Março 2013 21:00

Chaparral - 1967

A rede NBC produziu 98 episódios (de 52 minutos, sem intervalos) desta ótima série de faroeste, entre setembro de 1967 e setembro de 1971. O porquê da longevidade, diante da concorrência de “Bonanza”, “Big Valley” e “O Homem de Virginia”? Imaginem primeiro que, ao contrário das terras verdejantes de “Ponderosa” (Bonanza) e do “Rancho Barkley” (Big Valley), o cenário é o bem mais inóspito estado do Arizona (e as filmagens eram feitas lá mesmo, na cidade de Tucson). E, ao contrário das outras séries, a família Cannon não é muito rica e, às vezes, comeu o pão que o diabo amassou para conseguir sobreviver. O chefe da família, “Big” John Cannon (Leif Erickson,1911-1986), viúvo ainda apaixonado pela falecida esposa, casa-se com a filha Victoria (a argentina Linda Cristal) de um rico “barão do gado” Mexicano, seu vizinho de terras, Don Sebastian Montoya (Frank Silvera,1914-1970), um sujeito jovial mas meio belicoso e desconfiado.

Publicado em Séries