Mostrando itens por marcador: 1972

Quinta, 30 Setembro 2010 00:00

As Aventuras de Pinóquio - 1972

As Aventuras de Pinóquio (Kashinoki Mokku) é um anime baseado no conto Pinóquio de Carlo Collodi, produzido pela Tatsunoko Studio (a mesma de Guzula, Speed Racer, Abelhinha Hutch e Samurai Pizza Cats). A americanização ficou nas mãos da Saban Entertainment (criadora dos Power Rangers). A história começa quando Gepeto, o vovozinho marceneiro que vive solitário, deseja ter um filho para lhe fazer companhia e então ele talha em madeira um boneco de um tronco de uma árvore mágica. A Fada do Carvalho dá a vida ao boneco e promete que se ele for uma boa pessoa e provar que tem um bom coração será transformado em um ser humano futuramente. Para ajudar lhe apresentou o Grilo Falante, que atuava como a consciência de Pinóquio. Entretanto, o boneco raramente o ouve e acaba sofrendo as piores consequências. Pinóquio era extremamente ingênuo, por isso era facilmente influenciado por más companhias e, de um jeito ou de outro, sofria alguns riscos de vida. Quando sua consciência pesava, Pinóquio acabava mentindo para o vovozinho, embora a Fada do Carvalho o tenha avisado para que não contasse mentiras pois seu nariz cresceria. 

 

 

O drama
A vida de Pinóquio se torna terrível quando aparece um dono de circo que sobrevive explorando tudo que possa significar novas atrações para seus espetáculos. Auxiliado pela raposa Ladinólio, a doninha Vadinólio e seu cão de guarda, o vilão aprisiona Pinóquio e tenta escravizá-lo para exibição em seu circo ambulante.
O desenho da Tatsunoko Productions era de forte apelo dramático e, por vezes, aterrorizante, enfatizando o sofrimento do boneco de madeira que vivia lamentando para seu vovozinho que ninguém queria brincar com ele por não ser um menino de verdade. Era triste ver que Pinóquio se transformava em alvo de risadas; mas extremamente triste mesmo foi em um dos episódios no qual Pinóquio tem seus pés e parte da perna consumidos por fogo; em outro igualmente depressor, Gepeto leva uma surra de vara de piratas. Isso sem contar os episódios onde apareciam bruxas, vampiros, monstros e seres diabólicos que também invadiam a vida do azarado boneco.
Final feliz
No episódio final, a Fada do Carvalho realiza o desejo de Pinóquio de virar um menino de verdade, onde ele corre atrás da mesma chamando-a de mamãe. Neste mesmo episódio, Gepeto, que no capítulo anterior havia morrido, é salvo pela Fada do Carvalho. From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro. 

Publicado em Desenhos
Sexta, 23 Abril 2010 00:00

Kung Fu - 1972

Kung Fu é uma série de televisão estrelada por David Carradine, falecido em 2009, apresentada no período de 1972-1975. No filme piloto da série, é mostrado o aprendizado do monge Shaolin Kwai Chang Caine. Quando um de seus mestres favoritos (Mestre Po, um ancião cego e que apelidou Caine de gafanhoto) é assassinado, ele se vinga e mata o assassino, sobrinho do Imperador chinês, fugindo depois para América do velho oeste. Sua cabeça, então, é posta à prêmio, o que o obriga a estar sempre fugindo de cidade em cidade, como o típico justiceiro solitário (na cena de luta do vídeo ocorrida no episódio piloto, ele se encontra com outro monge Shaolin enviado pelo Imperador para matá-lo).


Caine não usa armas de fogo nem cavalo, e se defende apenas com o Kung Fu. Intercalada às histórias do presente, mostram-se flash backs que contam os aprendizados dados por Mestre Po e Mestre Kahn à Caine no templo Shaolin, sendo esta a maior novidade da série. O enredo de Kung Fu incita a não-violência, mostrando aos telespectadores o quão bela pode ser a vida se formos compreensivos, se dermos amor ao próximo ao invés de molestá-lo ou de invejá-lo, se pararmos de julgar as pessoas pelas aparências, se aceitarmos as diferenças e as pessoas da forma como elas são e agem.

Curiosidades

  • O filme "piloto", Kung Fu, estreou nos Estados Unidos no dia 22 de fevereiro de 1972, na rede ABC.
  • David Carradine não aceitou o papel de Kwai Chang Caine quando a ele foi oferecido inicialmente. Segundo o ator, à época não quis se envolver em algo que, eventualmente, tomaria tanto tempo quanto um seriado. Somente aceitou o papel após ter lido o roteiro.
  • A grande maioria das cenas de luta foram filmadas em câmera lenta. Esse processo, segundo os criadores da série, visava a “tirá-la” do básico (de fato, nos demais filmes de artes marciais – e mesmo nos Westerns - tudo acontecia muito rapidamente) e para deixar os telespectadores “mais atentos” aos detalhes (para alguns o uso da câmera lenta transparecia menos violência). Na versão de Carradine, entretanto, um dos grandes problemas enfrentados pelos produtores da série era justamente a existência de uma censura às cenas de luta, especialmente às que findassem em morte de personagens. Segundo o ator, lutas belíssimas e extensamente coreografadas eram sumariamente eliminadas dos episódios por causa de “cortes” ministrados pelo “FCC” (uma espécie de entidade responsável pela censura). De fato, o tal FCC permitia, na época, apenas 4 minutos de cenas de luta por episódio, ao passo que a ABC queria, pelo menos, duas grandes seqüências. Essa problemática foi resolvida de uma maneira simples: em cada episódio inseriram 2 lutas, conforme requisitado; uma bem pequena no início e outra maior no final.
  • A ilusão de "cegueira" de Mestre Po foi criada através da aplicação de lentes de contato opacas sobre os olhos do ator Keye Luke. Pequenos orifícios foram feitos nas lentes; contudo, o ator não enxergava praticamente nada quando as usava. O fato curioso: Keye Luke permanecia o dia todo com elas. Isso acontecia por serem trabalhosas a colocação e a remoção dessas lentes. O ator, por sua vez, se sentia mais incorporado ao personagem.
  • Em meados da primeira temporada, Caine passou a carregar consigo uma flauta feita de bambu. Ela foi criada por Michael Greene, um dos atores convidados (nomeado ao Emmy devido às atuações na série) e amigo pessoal de Carradine. A idéia de se incorporar uma flauta aos pertences de Caine veio do próprio Carradine. Entendia que um mestre Shaolin devia dominar uma das formas da arte; nesse caso, a música. Houve, além da primeira, 3 outras flautas de tamanhos diferentes no decorrer da série. Caine tocou a tal flauta pela primeira vez no episódio de número 25 ("The Hoots").
  • O personagem Caine, quando aparece no velho Oeste, traz alguns elementos do pistoleiro Harmônica ou Gaita, personagem de Sergio Leone em Era uma vez a América, interpretado por Charles Bronson. No filme de Leone, Bronson (sem bigode) está sempre com os olhos semi-cerrados e sorrindo para seus adversários, parecendo um típico sino-americano (um dos filmes de Bronson na década de 70 chamava-se justamente Chino), além de contar com a inseparável gaita que esta sempre à mão. Já Caine, que é de fato sino-americano, gosta de tocar sua flauta antes de derrubar seus oponentes.
  • Em Kung Fu trabalharam atores "novatos" à época, tais como: Harrison Ford, Robert Duvall, Don Johnson, Gary Busey e até mesmo Jodie Foster (ainda criança).
  • John Carradine (o pai), Keith Carradine, Bruce Carradine e Robert Carradine (irmãos) atuaram ao lado de David em alguns episódios.
  • No início da série, Carradine teve seu cabelo totalmente raspado. No decorrer da mesma, o cabelo do ator cresceu paulatinamente. Ao término, ele o cortou mais uma vez.
  • Radames Pera, ator mirim que interpretou o jovem Caine, era freqüentemente provocado pelos colegas do colégio pois esses viviam querendo brigar com o garoto. Até o apelidaram de "Eightball" (algo como o "pouca telha" do Português) por causa do cabelo raspado.
  • Muitas das cenas filmadas no interior do Templo Shaolin foram captadas à luz de velas pois a iluminação do lugar era feita desse modo, originalmente. Além do fato dos atores terem passado mal nessas cenas - tamanho era o calor produzido - a ABC nunca comprara antes tamanha quantidade de velas para uma série de TV.
  • O primeiro consultor de artes marciais da série foi David Chow. Chow não era totalmente formado na arte do kung fu, pois não concluíra seus estudos. Apesar disso, afirma Carradine, o amor daquele homem pela cultura Chinesa e pelas artes marciais era imenso e empolgante. Sábio, incitou Carradine ao real aprendizado daquela arte. Após a saída de David Chow da série, um mestre Shaolin “real” assumiu o papel dele: Kam Yuen, um especialista no estilo “Praying Mantis” (Louva-Deus). A partir da entrada de Kam, as cenas de luta tornaram-se mais reais; havia kung fu “de verdade” nos combates."
  • No início da 3ª Temporada da série, David Carradine principiou “oficialmente” o estudo do Kung Fu. Kam Yuen o guiou.
  • Em 1986 e 1987, foram filmadas duas sequências da série Kung Fu, com a participação de Brandon Lee, filho de Bruce Lee.
  • Duas décadas depois do fim da série original, foi lançada Kung Fu: The Legend Continues, que conta as aventuras de um descendente de Kwai Chang Caine. David Carradine também a protagoniza, ao lado de Chris Potter que interpreta o filho de Caine. Foi exibida originalmente entre 1993-1997, com quatro temporadas (From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro).
Publicado em Séries
Marcado sob
Sábado, 19 Setembro 2009 00:00

Os Mussarelas - 1972

Os Mussarelas (The Roman Holidays) é um desenho animado de 1972, produzido pela Hanna-Barbera Productions. Ele contava as aventuras e desventuras vividas por Zecas Mussarela (Gus Holiday) e sua família, que viviam na Roma Antiga. O desenho procurava seguir a linha dos populares Os Flintstones e Os Jetsons, mas acabou não sendo valorizado pelo público e terminou com apenas 13 episódios produzidos. From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro.


Publicado em Desenhos