Sexta, 11 Fevereiro 2011 01:00

Capitão Harlock e a Nave Arcádia - 1978

O ano é 2977. A humanidade tornou-se complacente e estagnada. Todo o trabalho é feito por máquinas, enquanto os seres humanos gastam o seu tempo com diversão. Mas quando um invasor misterioso das estrelas invade a terra, somente o legendário capitão Harlock pode ir de encontro a eles.

 



 

Albator, Albator, du fond de la nuit d'or
Albator, Albator, de bâbord à tribord
Tu veilles sur la Galaxie, sur la liberté aussi
Albator, Albator, le corsaire de l'espace
Albator, Albator, même si tu parais de glace
Ton cœur est bon, ton cœur est grand comme le cœur d'un géant
Le bel Atlantis est ton vaisseau
Le pavillon noir est son drapeau
Bee-Bop, Nausicaa sont avec toi
Albator, Albator, avec ton équipage
Albator, Albator, tu prends à l'abordage
Aux Stellarpons, au Planotir, tous les Spaciocargirs
Albator, Albator, capitaine au cœur d'or
Albator, Albator, bien plus fort que la mort
Tu es toujours au rendez-vous n'importe quand, n'importe où
Tu es toujours au rendez-vous, toujours avec nous

Harlock pelo mundo e por aqui
Grande sucesso na Europa, Harlock é também conhecido como Albator (mas hein?!) pelas bandas da França. O anime chegou ao velho continente no começo dos anos 80 e as adaptações feitas em cima da série foram bastante brabinhas. Arcádia por exemplo virou Atlantis por lá. Mesmo assim, a série fez barulho e arrebatou milhares de fãs. Nos EUA, a série foi lançada em 1987 e foi rebatizada de Captain Harlock and The Queen a Thousand Years. Distribuída pela Harmony Gold (a mesma que fez a montagem de Robotech), a empresa repetiu sua safadeza tática de juntar séries diferentes para fazer um anime esticado. Harlock foi misturado com o anime Sennen Jôo e o resultado foi uma série “nova” com 65 episódios (detalhe: ambas séries originais tinham 42 episódios cada). A Picaretagem não foi tão indigesta como Macross pois Sennen Jôo tinha o mesmo designer de personagens de Matsumoto. Mas para a trucagem fazer sentido, roteiros tiveram de ser refeitos.

 

 

Provavelmente a Harmony acreditou que o sucesso de Harlock na Europa poderia render um novo Macross nos EUA, mas a produção foi um belo fracasso. De qualquer forma, os gringos viram a cara de Harlock em suas tevês e ganharam até uma “mangá” desenhado por Bem Dunn em idos de 88. Diferente do que sitecos e até publicações que supunham-se ter qualidade dizem, NUNCA houve a transmissão de uma série de tevê de Harlock no Brasil.

No começo de suas transmissões, a Manchete entupia a grade de sua programação com desenhos animados – coisa que as emissoras hoje em dia preferem fazer com comerciais de Magrins® ou outros produtos fantásticos (XD). Foi nesse período que a emissora apresentou um caminhão de animes e notou que os japas conseguiam chamar mais atenção que os cartoons tóxicos da Hanna Barbera. Nessa época ela exibiu Harlock e vários outros animes originalmente lançados por aqui em vhs (como Baldios) em formato de mini-série, dividindo os longas em aproximadamente 5 capítulos cada.

Dublado no Rio de Janeiro, nos lendários estúdios da Herbert Richers, Harlock conta com um punhado de vozes típicas dos anos 80 no elenco. O Capitão tem a voz do dublador do Mel Gibson (Julio Chaves) enquanto Toshio tem a voz do Ricardo Schnetzer (o ator mexicano Fernando Colunga, que fez o marido da Maria do Bairro e da Usurpadora x_x). A bela rainha Emeraldas ficou com a raquítica voz da Feiticeira de Greyskull (a mulé toda gata e colocam voz de tia veia! Putz!).

A fita lançada pela Brazil Home Vídeo é um tanto rara de se encontrar hoje em dia e traz uma pequena “trucagem” made in brazil. Como o filme é muito extenso para caber nas 2 horas do rolo do VHS, cortes foram feitos na cara de pau. Embora isso não chegue a prejudicar a compreensão da história, você fica com aquela sensação de “Cortaram algo que eu deveria ter visto!”.

O canal Animax exibiu para o público brasileiro uma série de produções contemporâneas baseadas em mangás de Matsumoto onde cada protagonista é um “clone” do Harlock. O interessante nessa salada louca é que por mais legais que tentem ser, nenhum clone consegue se tornar tão carismático como o legendário capitão. Pergunte a quem o conheceu! Se é que ainda consegue se lembrar… fonte: jbox.com.br

Capitão Harlock (Kyaputen Hārokku) também conhecido como "Captain Herlock" na versão inglesa de “Uma Odisseia no Espaço” e como "Albator" em países de língua francesa é um personagem fictício criado pelo artista de mangá Leiji Matsumoto e protagonista da série de mangá Space Pirate Captain Harlock. O personagem foi criado por Leiji Matsumoto em 1977 e popularizado na série 1978 de televisão Pirata do Espaço Capitão Harlock. Desde então, o personagem já apareceu em várias séries televisivas de animação e filmes, o último dos quais é de 2013 “Space Pirate Captain Harlock”.

------------------------------------------------------------------------

História

Embora existam pequenas variações em cada narração da história de Harlock, os fundamentos permanecem os mesmos. Matsumoto apresenta um futuro (2977 AD), em que a Terra alcançou uma vasta civilização nas estrelas, mas é lenta e progressivamente avança ao tédio ou desespero, muitas vezes devido à derrota e subjugação por um invasor estrangeiro. Se levantando contra a apatia geral, Harlock nega a derrota e lidera uma equipe de fora da lei a bordo de sua nave Arcádia para empreender ousados ​​ataques contra opressores da Terra. Mesmo que eles tenham derrotado a Terra e devastado seu povo, os invasores são frequentemente apresentados em uma complacente luz. A série apresentou um arco de história em que uma enorme esfera de metal preta atinge Tóquio e lendas maias antigas parecem estar andando na Terra novamente. Os invasores são os Mazone, uma raça de mulheres à base de plantas que exploraram a Terra no passado mítico e agora estão de volta para recuperá-lo. Apenas Harlock e sua tripulação incompatível são corajosos e capazes o suficiente para enfrentar o inimigo. A primeira versão animada de Capitão Harlock foi lançada em 1978 pela Toei Company e teve 42 episódios. A direção dessa série ficou a cargo do (hoje) renomado diretor Rintaro que dirigiu o soberbo Metropolis – disponível em DVD duplo por aqui. O sucesso fez com que, ainda em 1978, fosse lançado um curta-metragem chamado “O Mistério de Arcádia” com meia hora de duração. Em 1982 foi a vez de um longa de verdade com Waga Seishun no Arcádia (Minha Juventude em Arcádia) que teve mais de duas horas (!!!) de animação nos cinemas japas. Esse é o filme que foi lançado no Brasil em VHS pela Sato Company em 1985 (quando ainda se chamava Brazil Home Vídeo) e que a Manchete exibiu como uma mini-série em 5 partes na sua saudosa Sessão Animada, Harlock ainda ganharia mais uma série devido ao sucesso do filme, no mesmo ano de 1982 – Waga Seishun no Arcádia: Mugen Kido SSX (Minha Juventude em Arcadia: Órbita Infinita SSX) com 22 episódios. Fonte: megahero.com.br

Lido 15497 vezes Última modificação em Domingo, 30 Mai 2021 11:10
Blog do Fantomas

Fantomas é o nome de um desenho lançado em 1967. Quando resolvi criar o blog, não poderia deixar de fazer uma homenagem ao mesmo, não só por me lembrar momentos marcantes na infância como também pelo forma como era chamado o personagem principal na dublagem original: "Fantomas, o Guerreiro da Justiça". Sim, esse cara era meu herói !