Menu

O Marcado - 1965 Destaque

O Marcado ("Branded") é uma série de TV que foi ao ar pela rede NBC americana a partir de 1965 (e durante 1966) que tinha como estrela Chuck Connors no papel de Jason Mc Cord, um capitão da Cavalaria dos Estados Unidos que tinha sido afastado (banido) da corporação por uma injusta acusação de covardia (outros ótimos atores na trama: John Carradine, Chade Everett, June Lockhart e Dolores del Rio). Criada por Larry Cohen, a série foi produzida pela Goodson-Todman Productions, que produzia quase que exclusivamente shows de jogos para a TV, como o "The Price is Right".

 

All but one man died.
There at Bitter Creek.
And they say he ran away.
Branded, scorned as the one who ran.
What do you do when you're branded, and you know you're a man.
Wherever you go, for the rest of your life
You must prove, you're a man.
Full song
All but one man died,
There at Bitter Creek,
And they say he ran away ...
Branded!
Marked with a coward's shame.
What do you do when you're branded,
Will you fight for your name?
He was innocent,
Not a charge was true,
But the world will never know ...
Branded!
Scorned as the one who ran.
What do you do when you're branded,
And you know you're a man?
And wherever you go
for the rest of your life
You must prove ...
You're a man!

A cena de abertura foi memorável, onde são arrancados o chapéu, insígnias e botões da farda de Mc Cord, bem como seu sabre que é quebrado (tudo isso com o rufar de tambores ao fundo). Ele, então, é encaminhado para fora dos dos portões do Forte, que são fechados após sua saída. No desenrolar da história, Mc Cord viaja por todo o Velho Oeste, sempre confrontado por pessoas que sabiam de sua notória reputação de covardia, exigindo que (de acordo com a canção tema) repetidamente "provasse que era um homem". A série seguiu o sucesso de Connors nos mesmos passos de "O Homem do Rifle", mas não teve longevidade. Vários episódios foram colorizados e editados para o filme que viria em seguida: "Broken Sabre", de 1966 (From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro).

voltar ao topo