Menu

The Doris Day Show - 1968 Destaque

The Doris Day Show  é um sitcom da televisão americana que foi ao ar, originalmente na rede CBS, de setembro de 1968 até setembro de 1973. Além da presença de Doris Day, a série é muito lembrada pelas mudanças abruptas que ocorreram em seu formato ao longo de seus cinco anos de exibição. Outro dado marcante e lembrado, no caso por Doris Day em sua autobiografia, “Doris Day: Her Own Story" (1975), é o fato de seu marido Martin Melcher ter assinado para ela o papel que faria na série televisiva sem o seu conhecimento, situação descoberta por ela quando Melcher morreu de doença cardíaca em 20 de abril de 1968. O programa de TV estreou em 28 de setembro de 1968.

Doris Day foi um atriz muito popular em filmes nos anos 50 e início dos anos 60. Nesta série, ela foi lançada como a gentil Doris Martin, uma viúva e mãe de dois jovens que, quando a série estreou, tinham acabado de voltar para uma fazenda rural, fora de São Francisco, depois de terem vivido na cidade grande por muitos anos.
Outros personagens durante esta fase inicial do programa de Doris incluíam o seu pai Buck (estrelado por Denver Pyle) e Leroy, que trabalhava no rancho como seu “braço direito” nas atividades (desempenhado por James Hampton).
Na temporada de 1969-70 TV, a personagem Doris começou a diminuir sua estada na fazenda e a se locomover mais para São Francisco, onde trabalhava como secretária em uma revista. Neste novo trabalho, alguns personagens foram acrescentados: McLean Stevenson (que viria a abandonar a série para participar de M * A * S * H) desempenhou o seu patrão; Myrna Gibbons, como sua amiga e colaboradora, vivida por Rose Marie em um personagem semelhante ao seu mais famoso papel, o de Sally Rogers na série “The Dick Van Dyke Show”.


When I was just a little girl, I asked my mother, What will I be?
Will I be pretty? Will I be rich? Here's what she said to me:
Que Sera Sera, what ever will be, will be;
The future's not ours to see
Que Sera Sera, what will be, will be
When I grew up and fell in love, I asked my sweetheart, what lies ahead?
Will we have rainbows day after day? Here's what my sweetheart said:
Que Sera Sera, what ever will be, will be;
The future's not ours to see
Que Sera Sera, what will be, will be
Now I have children of my own they ask their mother what will I be
Will I be handsome? Will I be rich? I tell them tenderly:
Que Sera Sera, what ever will be, will be;
The future's not ours to see
Que Sera Sera, what will be, will be.

No início da temporada 1970-71, Doris e filhos se mudam da fazenda para São Francisco, onde passa a escrever artigos para a revista em que trabalhava, Today's World. A maioria dos personagens da época anterior permaneceu, com excepção do pai Pyle e do funcionário da fazenda Hampton.
A quarta temporada, 1971-72, viu a mudança mais radical na série. Talvez inspirada pelo sucesso de “The Mary Tyler Moore Show”, a personagem de Doris se tornou, repentinamente, uma mulher voltada para uma carreira profissional. O elenco inteiro, com exceção da própria Doris, sumiu; seus dois filhos já não estavam mais por lá e a eles não era feita qualquer referência pessoal. Ela tinha agora um novo editor, Cy Bennett (papel feito por John Dehner), e não era mais uma secretária, mas sim uma escritora dedicada a sua profissão. A atriz Jackie Joseph aderiu ao elenco como amiga de Doris, Jackie Parker (o personagem já foi retratado como se fosse uma repórter, nunca sendo feita qualquer relato ao fato dela ter trabalhado como secretária). A série continuou com este formato até que foi cancelada em 1973.

Tema de abertura

A seqüência de abertura com Doris Day cantando o clássico "Que Sera, Sera (Whatever Will Be, Will Be)" é uma referência ao seu surgimento em 1956 no filme de suspense de Alfred Hitchcock "O Homem que sabia demais", quando Doris canta esta mesma música. From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro.

voltar ao topo