Menu

Chaves - 1971 Destaque

Chaves (El Chavo del Ocho) é uma famosa comédia de televisão mexicana exibida originalmente entre 20 de junho de 1971 e janeiro de 1992. Ela foi criada e estrelada pelo dramaturgo Roberto Gómez Bolaños nos estúdios da empresa de Televisão Televisa, no México. Aqui, foi exibida pelo SBT. A série se apresenta com um humor sem apelos exagerados que explora situações do dia a dia e mal entendidos cômicos com uma ótica otimista, tudo sob a pele do garoto Chaves no cenário de uma vila da periferia de uma grande cidade, onde são mostrados o abismo social entre vizinhos e a fome e o desamparo das crianças de rua, bem como a relação entre vários âmbitos sociais.

Origens: o programa começou em 1969, depois que seu protagonista, Chaves, apareceu junto com outro personagem, a Chiquinha, em um curta-metragem durante um programa de televisão popular no México. A princípio, se dirigia a um público maduro mas se mostrou extremamente bem-sucedido entre as crianças mexicanas, motivo pelo qual se decidiu "redirecionar" o programa ao público infantil. O nome "El Chavo del Ocho" é uma referência à emissora de TV que o produzia, a Televisa, canal 8. O programa foi tão popular em outras partes da América Latina, bem como entre as pessoas que falavam espanhol nos Estados Unidos, que em países como Peru passaram a ser apresentados outros programas onde apareciam os atores de Chaves. Na Argentina, Rubén Aguirre fez muito sucesso interpretando seu personagem em um circo e, em Porto Rico, muitas das frases de Chaves se converteram em parte do diálogo cotidiano. Nos Estados Unidos, a série foi transmitida pela Galavisión.

Reprises: desde sua chegada ao Brasil, o seriado vinha sendo reprisado até que episódios novos apareceram em 1988. Em 1990 e 1992, os últimos lotes de episódios foram comprados pelo SBT; no entanto, somente episódios até a fase entre 1979 e 1980 foram exibidos. Alguns foram apresentados apenas uma vez e/ou deixaram de ser exibidos e são chamados de episódios perdidos. Discute-se muito no que se refere ao destino das fitas, se teriam sido perdidas ou reutilizadas. Existem duas teorias principais para explicar esse fato:

   * A primeira é que, quando os episódios chegaram ao Brasil, teriam vindo aos pedaços, obrigando a equipe de dubladores e editores que prepararam a série a montar todos os episódios. Ao final das montagens, sobravam partes de episódios e, inclusive, vinhetas de propagandas, que foram também dubladas. Foram exibidas em alguns especiais do SBT, dando a impressão de que a emissora possuía esses episódios. Este detalhe também explica porque episódios como "O festival da boa vizinhança", "A venda da vila" e "Um astro cai na vila" estariam incompletos, faltando para os dois primeiros a última parte e para o último a primeira parte. Também é considerável o episódio "O cãozinho do Quico", composto de três partes, teve sua dublagem inicial substituída por outra, em que a terceira parte já não era mais anunciada.

    * A segunda explicação é mais hipotética: quando o programa foi produzido no México, foi usada uma tecnologia de edição muito antiga: efeitos de sobreposição de imagens primitivos, áudio separado em cartucho e filme de baixa qualidade. Alguns episódios que deixaram de ser exibidos devem ter tido problemas, como defeito no cartucho de áudio da dublagem (para isso, alguns episódios tiveram de ser redublados), ou mesmo danificações no filme (em alguns, a imagem danificada é substituída por outra do mesmo episódio ou, muito raramente, de outros).

Influência: detentora do recorde de tempo no ar desde a sua criação, que soma mais de três décadas, a série é reprisada exaustivamente em vários canais da América Latina e conta com uma legião fiel de fãs que, graças ao caráter familiar do seriado, vão do telespectador médio, que se diverte só com as cenas de queda e bolo na cara, à audiência cult, apreciadora dos diálogos e que cresceu assistindo ao programa. Um dos traços mais interessantes na série inteira é o fato dos personagens, incluindo os infantis, serem representados por adultos. No Brasil, a história do seriado começa com o nascimento da TVS, que depois viria a se chamar Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), a emissora de Sílvio Santos. Sem muitos recursos na época para preencher a grade de horários, Sílvio optou pela parceria com a televisão mexicana. Importar atrações como telenovelas, séries e filmes do México era barato e trazia bons resultados. Chegava, então, um lote de novelas da Televisa que foram dubladas pela Maga, em parceria com o SBT. Todo o lote foi dublado e Chaves, ainda desconhecido, veio junto numa remessa de aproximadamente oitenta episódios, que foram dublados e apresentados ao dono do SBT. A atração tinha reprovação dos homens de confiança de Sílvio. Contudo, ele contrariou sua equipe e exibiu o seriado como teste no programa do palhaço Bozo, em 1984, alternando com o seriado Chapolin Colorado. A série se tornou um sucesso, tendo por vezes a maior audiência do SBT segundo o IBOPE, conseguindo vencer por várias vezes a Rede Globo. A partir de 1988, começou a ser exibida em horário nobre (seu maior pico de audiência foi de 36 pontos, em 1990).

Personalidade: sua personalidade demonstra uma certa ingenuidade, mas que às vezes é tamanha que parece ironia ou sarcasmo, o que irrita as pessoas, principalmente o Seu Madruga. Apesar de sempre ser chamado de Chaves, não é este seu verdadeiro nome, o qual nunca é revelado, devido à interrupções não intencionadas de outros personagens quando está prestes a ser pronunciado. Isso acontece em 3 oportunidades: com o Jaiminho, com a Chiquinha e com o Quico. Possui um grande coração, mas é sempre incompreendido por todos e também vive levando a culpa por tudo o que acontece na vila, daí um de seus principais bordões: "ninguém tem paciência comigo". É capaz de suportar vários dias sem comer nada, mesmo assim possui um apetite tão grande quanto ou maior que o do Nhonho, sendo capaz de comer bolos e até frangos inteiros e em poucos minutos. Seu melhor amigo é Quico, embora este viva tentando humilhá-lo e ambos estejam sempre brigando. Chaves é apaixonado por Paty, a menina mais bonita da escola, e parece ser correspondido. Fica hipnotizado toda vez que olha para ela e desmaia quando ela o beija. Outra característica curiosa é que toda vez que fica muito assustado ele tem um "piripaque", ou seja, fica totalmente paralisado com o corpo ligeiramente agachado, o rosto voltado para a frente, um braço apontando para o chão e o outro meio levantado. Aparentemente perde a consciêcia e só volta a si quando lhe jogam água no rosto.

Bordões:  * "Foi sem querer querendo."  * "Tá bom, mas não se irrite."  * "Ninguém tem paciência comigo!"  * "Isso, isso, isso!"  * "Pi pi pi pi pi pi" (choro)  * "Que burro, dá zero pra ele!"  * "Não tem por onde."  * "Ah, também eu nem queria…"  * "Zás e zás e…"  * "É que me escapoliu"  * "Seu Madruga, sua vovozinha fazia,…; "era…"; ou "gostava de…" (e em resposta Seu Madruga o batia e as vezes dizia: "Só não te dou outra porque…")  * "Agora eu arrebento isso que você chama de cara."  * "Ah, então se é assim, sim!"

Características:  * Usa uma camisa listrada e bermuda rasgada. Suas roupas e as de Chiquinha geralmente são de cores da bandeira do México: verde, vermelho e branco.   * Adora sanduíche de presunto, tanto que em certa ocasião, quando trabalhando no restaurante de Dona Florinda, confunde o Senhor Barriga desmaiado na mesa com um enorme sanduíche de presunto.  * Seu choro também é característico: Pi pi pi pi…. Foi inventado por Bolaños inspirado no choro de uma de suas filhas.  * Costuma dizer Sim e balançar a cabeça negativamente; ou Não, com a cabeça balançando afirmativamente.  * Quando alguém completa suas frases, ele costuma balançar o dedo indicador dizendo: "Isso isso isso…"  * Os sapatos que usa foram dados a ele pela Chiquinha. Na verdade, trata-se de um par de sapatos que pertencia ao Seu Madruga. Tal fato é explicado em um episódio que mostra a chegada do menino a vila.  * Se esconde no barril toda vez que o Seu Madruga dá um cascudo na cabeça. * Vive dizendo que mora na casa nº8 e que o barril é na verdade é seu esconderijo, mas isso é não é verdade (explicado em um episódio da série).  * Quando alquém lhe pergunta com quem ele mora, ou qual seu nome verdadeiro, sempre um personagem interrompe o assunto. From Wikipedia. Tradução/adaptação livre: Vitor Pinheiro.

voltar ao topo